Um embaixador na Galiza tropical: Xosé Lois García

“Começam os galegos a entender-se
sobre a normalidade linguística, ou ainda
estão a dar pancadas?”
MARTINHO DOS SANTOS, dirigente moçambicano

Carlos C. Varela

Luanda, Novembro de 1997. Um chantadino toma a palavra na Assembleia Nacional Popular. É um dos ponentes do I Congresso da Literatura Angolana. Começa saudando o presidente parlamentar, o seu amigo Roberto de Almeida, e o resto de autoridades e políticos. Enceta assim o discurso: “Venho duma nação sem Estado, chamada Galiza, com uma língua própria do bloco linguístico lusófono, mas não vou falar da situação política e colonial do meu país, em homenagem da minha nação. Permitam-me, estimados participantes neste congresso, falar a minha língua que vocês não ignoram. Obrigado.” E continua a ler, sem que ninguém perceba nenhuma diferença, o seu relatório em galego ILG-RAG. Adverte, já de primeiras, de que “nunha España gobernada por unha clase dominante egocentrista e defensora da terríbel historia colonial”, pouco interessa a literatura da África negra. “Sei que esta miña opinión non lle gustará ao Sr. Embaixador de España, aquí PRESENTE, mais a verdade está por enriba de calquera xesto protocolario ou compracencia.”

O de Chantada, criado na paróquia de Morlám, chama-se Xosé Lois García, e a pergunta que se estarão a fazer muitos leitores é “por que é tão pouco conhecido ESTE homem entre o reintegracionismo?” Eu soubem dele graças ao Héitor Picalho, quem numa noite no Bar Orellas de Ordes, me contagiou o seu entusiasmo polo nosso embaixador popular na lusofonia, especialmente na África galego-falante. Precisamente de Héitor Picalho é a genial ilustração da capa do Polas diversas xeografías da Lusofonía, livro que, com certeza, há-de ajudar a divulgar o formidável trabalho de Xosé Lois García. Trata-se dum amplíssimo compilatório de conferências, colóquios, prólogos de livros, artigos na imprensa, etc; acompanhado de mais de oitenta fotografias e prologado polo sempre ativo David Otero. É o resultado de décadas de ativismo na lusofonia, de relações internacionais auto-geridas da Galiza com os Países Africanos de Língua Portuguesa (PALOP) e demais.

A temática do livro, sempre com a lusofonia de protagonista, é mui ampla; abrange da poesia política carcerária às crónicas de viagem, passando polas lutas da libertação nacional em África. Destacam os artigos sobre o relacionamento entre o nacionalismo galego e Portugal e, sobretudo, os estudos dedicados a Angola, país do que Xosé Lois García tem um profundo conhecimento. Um conhecimento, há que dizê-lo, pessoal e direto, porque quase todas as pessoas da política e da literatura das que X.L. García fala, são amigas pessoais suas. Quanto aos artigos mais jornalísticos, ressaltam os de intervenção, perante algum desplante de José Saramago ao galego, ou a triste polémica de Gilberto Gil em Compostela em 2004. Noutro artigo, este de 1994, X.L. García criticava profeticamente as traduções do ‘português’ para o galego ‘galego’: “Ao ritmo que imos, algún traductor iluminado traducirá a Fernando Pessoa”, como finalmente aconteceu, com uma premiada tradução…

Polas diversas xeografías da lusofonía vem a ser, por outra parte, uma nova constatação de que o discurso lusófono já é hegemónico, voando por cima das escolhas ortográficas(*). Para qualquer leitora amante do galego suporá um importante reforço simbólico: nas suas páginas aparecem continuamente escrituras e políticas da lusofonia que conhecem e defendem a Galiza e o galego, que nos berram “não estão sozinhas!”. Para a ativista, este livro contém todo um programa de ação: o imenso capital de relações que forjou X.L. García pode dar excelentes resultados mancomunando-o. Polo de pronto, algo que poderia interessar à Através Editora: as obras completas de Agostinho Neto precisam editorial.

Nota

(*) Sobre o avanço do reintegracionismo PARA além da questão ortográfica: veja-se a reportagem de Rubém Melide sobre “O reintegracionismo latente” no Novas da Galiza nº 134; e o de Mónica G. Devesa, “Busco amante galego-falante”, no nº 136.
GARCÍA, Xosé Lois. Polas diversas xeografías da Lusofonía, Guitiriz, A.C. Xermolos, 2013, 866 págs.

(Artigo publicado no PGL)

Advertisements

Deixar unha resposta

introduce os teu datos ou preme nunha das iconas:

Logotipo de WordPress.com

Estás a comentar desde a túa conta de WordPress.com. Sair / Cambiar )

Twitter picture

Estás a comentar desde a túa conta de Twitter. Sair / Cambiar )

Facebook photo

Estás a comentar desde a túa conta de Facebook. Sair / Cambiar )

Google+ photo

Estás a comentar desde a túa conta de Google+. Sair / Cambiar )

Conectando a %s