Julio Cortázar: Fragmentos para uma ode aos deuses do século

ilustracion-oda-aos-deuses-do-seculo-BY-polo-1024x1379“(…) O culto dos deuses maiores é público, fedorento e estrepitoso, apresenta-se como Positivo, como Festa, como Liberdade. Um dia sem deuses maiores é a paralisia de uma nação de homens; uma semana sem deuses é a morte de uma nação de homens. Os deuses maiores são os mais recentes, ainda não se sabe se ficarão ou abandonarão os seus adoradores. À diferença de Buda ou Cristo são um problema, uma incertidão; convén adorá-los afebradamente, pôr um tigre no motor, pedir a máxima quantidade, encher os tanques com o seu frio, desdenhoso orgasmo: olhar continua a ser grátis até nova orden, mas também não é certeza. Os teólogos consultam-se. Onde reside o sentido oculto dos textos sagrados Ponha um tigre no seu motor: Apocalipse iminente? Abadonarão-nos um dia os deuses maiores”.


Tradução do Carlos para a ‘Revista para uma nova civilização, 15-15-15’ de um poema de Lonstein, uma das personagens do ‘Libro de Manuel’ (1973) de Julio Cortázar.

Ilustração: polo

Advertisements

Deixar unha resposta

introduce os teu datos ou preme nunha das iconas:

Logotipo de WordPress.com

Estás a comentar desde a túa conta de WordPress.com. Sair / Cambiar )

Twitter picture

Estás a comentar desde a túa conta de Twitter. Sair / Cambiar )

Facebook photo

Estás a comentar desde a túa conta de Facebook. Sair / Cambiar )

Google+ photo

Estás a comentar desde a túa conta de Google+. Sair / Cambiar )

Conectando a %s